7 de abril de 2010

Mais de 100 mortes após temporal no Rio de Janeiro

A Nova Democracia: Mais de 100 mortes após temporal no Rio de Janeiro

     Mais de 100 mortes (105 até as 13:41 do dia 7 de abril), dezenas de desaparecidos, centenas de desabrigados, engarrafamentos, deslizamentos, suspensão dos serviços públicos, 89 pessoas resgatadas pelo Corpo de Bombeiros e várias regiões sem energia elétrica foram os resultados (até o momento) do temporal que desabou na região metropolitana do Rio de Janeiro na tarde da segunda-feira, 5 de abril e perdurou por mais de 24 horas. As graves consequências recaem pesadamente e principalmente sobre as populações mais empobrecidas. As cidades mais atingidas foram Niterói, São Gonçalo, Itaboraí e a capital.     
     As rádios e canais de TV anunciam a cada momento um número maior de mortos, tornando inexato o número de pessoas atingidas fatalmente pelas chuvas.
     Na cidade do Rio vários bairros ficaram completamente submersos. Os deslizamentos de maiores proporções aconteceram no Recreio dos Bandeirantes, zona Oeste; nos morros do Borel, do Turano, da Formiga e dos Macacos, zona norte. Em São Conrado, zona Sul, uma encosta desabou e interditou os dois sentidos da Avenida Niemeyer. Na zona Norte os bairros mais atingidos foram Ramos, Penha, Manguinhos, Bonsucesso, Parada de Lucas, Praça da Bandeira e Caju, na zona Portuária.
Leia o texto completo no blog Nova Democracia
http://jornalanovademocracia.blogspot.com/2010/04/mais-de-100-mortes-apos-temporal-no-rio.html


Cidade cercada de montanhas e entre montanhas, que recebe violentamente grandes precipitações atmosféricas, o seu principal defeito a vencer era esse acidente das inundações. Infelizmente, porém, nos preocupamos muito com os aspectos externos, com as fachadas, e não com o que há de essencial nos problemas da nossa vida urbana, econômica, financeira e social.

Lima Barreto – Correio da Noite, Rio de Janeiro – 19/01/1915 (Toda Crônica, Editora Agir)

Nenhum comentário:

Postar um comentário