29 de abril de 2011

A marcha da Maconha e o fascismo oculto na sociedade

Último Sábado no Rio de Janeiro, em uma rua do bairro da Lapa, militantes sociais realizavam uma panfletagem onde propagandeavam a realização da “Marcha da Maconha” no Rio de Janeiro (a Marcha ocorrerá em diversas cidades do mundo, além do Rio), abordados violentamente, sobre forte pressão psicológica pela polícia do Rio, foram detidos e levados à delegacia, que crime cometeram? Eles propunham, e ainda propõe, uma mudança na lei!
Por mais absurdo que isso possa parecer, aconteceu na noite da Lapa, logo na Lapa, onde pensadores e lutadores ajudaram a construir a cultura brasileira e nosso processo de liberdade, duros golpes foram dados na liberdade de opinião em nossa história, ditaduras, prisões, agressões, apreensões etc, mas essa história, como ficou claro com a prisão dos 4 militantes na Lapa não ficou no passado, está presente na mentalidade de parte da sociedade e em especial nas polícias e setores reacionários da sociedade.
Os policiais que prenderam os militantes possuem, certamente, um pensamento muito disseminado entre os militares e policiais brasileiros, o de que eles estão “acima da lei”, pouco importa o que esta escrito na constituição, pouco importa as regras que a coletividade adota como normas de convivência, atos de desobediência civil são louváveis quando interessam a maioria, quando defendem interesses do povo e atentam contra a opressão, quando partem de agentes pagos pela sociedade para cumprir a lei, não passa de uma atividade ilícita e vergonhosa, ainda mais por se sustentar em pré-conceitos e preconceitos propriamente dito isto é eles se sustentam no que há de pior em nossa cultura, o racismo, a desigualdade social o autoritarismo e a descriminação social.
Atos de desobediência civil levaram a independências, a quedas de regimes autoritários e mudanças de leis absurdas como a que regulamentava a escravidão; Atos de autoritarismo policial resultaram em massacres, mortes de moradores de rua, meninos de rua e trabalhadores “confundidos” com supostos criminosos, esta é a diferença fundamental.
A legalidade do ato dos militantes no Rio de Janeiro é inquestionável, eles não vendiam, nem consumiam nenhuma substancia proibida, não faziam nada que a constituição não permita, não faziam apologia alguma, apenas defendiam a realização de uma marcha que propõe que a maconha deixe de ser criminalizada, defendem idéias, e as defendem ser cometer qualquer ato ilícito,  por que foram presos? Pelo pensamento fascista que permanece mais vivo que nunca em nossa sociedade e se faz perceber em casos como o da escrivã despida a força dentro de uma delegacia de São Paulo, pelos pronunciamentos do (pasmem) Deputado Federal Bolsonaro, pelas agressões a gays e sem terra Brasil afora e pela maneira como são tratados os movimentos sociais que lutam por uma sociedade melhor e mais justa como os movimentos pelo transporte público, moradia, saúde e pela educação, que são abordados na base do porrete.
A Marcha da Maconha, apesar do fascismo dos setores retrógrados da sociedade que querem impedir a liberdade de expressão, reunião e manifestação irá acontecer e irá levar o debate para as ruas e exporá questões relevantes como, por exemplo, o uso medicinal da cannabis, as possibilidades de uso do cânhamo em variadas atividades econômicas (alimentação, papéis, tecidos, bio-combustíveis, medicamentos, construção civil etc) a falência do modelo repressivo mundo afora e o sucesso das políticas de redução de danos , debaterá com a sociedade a necessidade de combater o crime organizado e de não perseguir praticas culturais que descriminadas por séculos, sobreviveram à margem da sociedade e agora emergem, tornando-se o centro de uma luta histórica por liberdade.

Sidinei Roberto Nobre Junior - UNIFESP


Saiba mais:

Sobre a prisão:
Notícia: Integrantes da Marcha da maconha presos - Diário do ABC
Artigo: A favor da Marcha da Maconha - Abordagem policial

Sobre a Marcha:
Sobre o tema:

3 comentários:

  1. belo texto, uma pergunta, essa figura da folha é de algum livro? teria ela em maior resolucao?

    ResponderExcluir
  2. Então cara, eu não sei de onde é não, tava no meu pen drive faz uma cota...

    ResponderExcluir
  3. "setor retrógrado" .. a escória sempre adora usar esse termo e "século xxi' .. filho da puta

    ResponderExcluir