5 de março de 2012

O que é Socialismo

Por Sadek Amin

Na sociedade capitalista em que vivemos, existem duas classes sociais FUNDAMENTAIS que lutam entre si quanto às relações de produção:  a burguesia e o proletariado. A burguesia é uma classe social formada pelos proprietários dos meios de produção (terras, máquinas, ferramentas, matéria-prima, edifícios, meios de transporte etc.), e o proletariado é uma classe formada por aqueles que possuem apenas sua força de trabalho ( a capacidade dos trabalhadores, usada em troca de salário, para produzir riqueza material). A burguesia despojou o proletariado dos meios de produção por um longo processo histórico que envolveu muitas guerras e opressão.
                Assim chegamos a entender que a minoria burguesa, por possuir os meios de produção, explora a maioria proletária, obrigada, nestas condições – capitalistas – a vender sua força de trabalho em troca de um salário; Este salário, pago pelo capitalista em troca do trabalho executado pelo proletário, é muito menor do que o valor final que ele, trabalhador proletário, produziu.
                A diferença de valor entre o salário pago ao proletário e o valor final que ele produziu como produto do seu trabalho, que fica na mão do explorador, é a chamada mais-valia, que constitui o lucro e é a base para o acúmulo crescente de capital na mão do capitalista. Desta forma, os interesses das duas classes são opostos: o proletariado quer se libertar deste círculo vicioso de exploração, e a burguesia quer explorar cada vez mais o proletariado para ter mais mais-valia e concentrar em suas mãos cada vez mais riqueza, luxo e controle político-social. Deste antagonismo surge a luta de classes que é uma constante do regime capitalista, e é a única amaça séria ao domínio da propriedade burguesa.
                A classe proletária, para reverter essa situação, tem como única saída atacar a burguesia no seu eixo essencial. A tarefa fundamental é expropriar a burguesia de sua propriedade dos meios de produção e assim obter o controle do produto social do trabalho, antes usurpado pela burguesia. Para cumprir esta tarefa histórica, a classe proletária organiza-se em sindicatos e partidos políticos revolucionários, iniciando a luta pela destruição do modo capitalista de produção. Seu triunfo será a substituição do capitalismo pelo socialismo, como um novo modelo social em que a propriedade privada dos meios de produção será substituída pela propriedade social, coletiva, dos meios de produção e distribuição de riqueza.
                Na concepção marxista, elaborada a partir de análises científicas da formação histórica do capitalismo e de seus mecanismos econômicos, o socialismo é um sistema sócio-político que só pode ser caracterizado pelo fim efetivo do capitalismo, com a apropriação dos meios de produção pela coletividade. Assim, abolida a propriedade privada destes meios, todos se tornariam trabalhadores, tomando parte na produção e na distribuição, e as desigualdades sociais tenderiam a desaparecer drasticamente.
                O socialismo é portanto uma etapa do processo revolucionário, que começa acabando com as estruturas capitalistas e construindo um estado controlado pelo proletariado para organizar o funcionamento da sociedade e a repressão dos antigos dominadores, mas que só acaba com sua próxima fase: o COMUNISMO, na qual o estado passaria a ser desnecessário e seria extinto. E todos os vestígios da divisão de classes desaparecerão.

Jornal AL BAIAN SOCIALISTA Nº3 Julho de 2009





"O dinheiro é a essência alienada do trabalho e da existência do homem; a essência domina-o e ele adora-a." (Karl Marx)

Nenhum comentário:

Postar um comentário