28 de outubro de 2012

Nota da FEC do PSOL sobre as eleições 2012



 

Terça-Feira 16 de Outubro de 2012

 

A construção deste documento surge como um meio de apresentar nossa avaliação referente ao primeiro turno do processo eleitoral de 2012. Avaliamos como positivas as vitórias conquistadas e um importante passo para a reconstrução de uma esquerda socialista e revolucionária para o Brasil, expressa nas excelentes votações recebidas pelas tendências mais coerentes do partido. Muitos mandatos eleitos nos enchem de esperança e alegria, como a votação recebida pelos vereadores na  cidade do Rio de Janeiro, onde nosso camarada Renato Cinco foi eleito com o corajoso e importante debate sobre o antiproibicionismo e a bandeira da legalização da maconha, junto à outras demandas dos movimentos sociais e populares.

Saudamos todos os camaradas que foram eleitos para a vereança pelo PSOL e parabenizamos também a ótima votação da camarada Amanda Gurgel do PSTU. Consideramos que a eleição de socialistas em Natal, Niterói, Porto Alegre, entre outras, mostram que o PSOL acertou em suas ações, como manter-se alinhado com o programa da classe trabalhadora e compor a Frente de Esquerda com o PSTU e o PCB. Em São Paulo consideramos importantíssima a votação na legenda do partido e comemoramos a conquista de uma cadeira para a câmara municipal da maior cidade de nosso continente.

Saudamos também a empolgante e militante campanha de Marcelo Freixo no Rio de Janeiro, do Raul Marcelo em Sorocaba, do Carlos Gianazzi em São Paulo e a vitória do camarada Gelsimar Gonzaga na cidade Itaocara-RJ, primeira vitória no executivo para o nosso partido, onde assim como em outras cidades Brasil afora, enfrentaram com muita garra uma disputa desigual e desleal, onde as regras são ditadas por nossos inimigos que possuem um volume financeiro gigantesco, oriundo de corrupção, desvio de verbas públicas e doações – investimento – de grandes grupos especuladores, empreiteiras, crime organizado, bancos e grandes empresas e corporações. A disputa nessas condições não permitiu resultados que sonhávamos para o nosso partido em cidades importantes, porém temos certeza que fizemos o possível e o impossível dentro da nossa coerência socialista para levar uma alternativa de organização para os trabalhadores do Brasil.

Avaliamos como acertada nossa decisão de cerrar fileiras e posteriormente permanecer junto aos camaradas do Partido Socialismo e Liberdade em Guarulhos. Parabenizamos o camarada Ederaldo Batista por manter-se coerente com o programa da classe trabalhadora como candidato a prefeito em Guarulhos. Saudamos os camaradas que disponibilizaram seus nomes para a vereança com as dificuldades que é a construção de um partido socialista, porém também observamos candidaturas obscuras e não identificadas com o programa do partido e pensamos que isso deve ser debatido internamente. Saudamos toda a militância que estiveram no campo de batalha das ruas, das fábricas, dos bairros, das favelas, das escolas durante o processo eleitoral em Guarulhos. Acreditamos que houve avanços organizativos na cidade, porém entendemos que a inércia do partido nos anos anteriores, quanto a sua atuação junto aos movimentos sociais, estudantis e de trabalhadores organizados, seja a grande responsável pelas dificuldades que tivemos no processo e a distância que ficamos de eleger um camarada socialista para a câmara da cidade. Acreditamos que os números eleitorais não devem abalar nossa determinação em atuar nas lutas sociais, na construção de núcleos, na elaboração de eventos e no estudo permanente da sociedade em que vivemos.

Não deixaremos de expor neste documento toda nossa insatisfação e indignação com alianças vergonhosas realizadas por tendências sociais-democráticas do PSOL em muitas cidades do Brasil. Repudiamos veementemente a possibilidade de apoio político e aliança com partidos da direita brasileira. Partidos como DEM, PSDB e PP não devem nunca ter qualquer tipo de ligação com a nossa organização partidária. Não toleramos também este tipo de relação com partidos de centro ou da velha esquerda, que caminharam ao longo de sua história para a conciliação de classe e para a direita política, como o PT, PDT, PTB, PSB, PPS e o PCdoB.

Ao nosso ver todas as alianças mencionadas não podem ser formadas, seja em qualquer cidade ou capital, como assistimos as tristes e revoltantes situações vividas em Macapá e Belém. Entendemos que os responsáveis, direta ou indiretamente, pela formação das alianças e acordos de apoio, devam ser exemplarmente investigados, punidos e mesmo expulsos do partido, independentemente de corrente política, cargo, função partidária ou trajetória política.

Nestas condições nossa posição em relação ao segundo turno é de reafirmação do nosso compromisso com a Luta da Classe Trabalhadora e não com a classe opressora! Assim sendo, que nas cidades onde os partidos da Frente de Esquerda (PSOL, PCB e PSTU) não estejam na disputa (não negando nossas afirmações em relação às cidades com alianças vergonhosas, mas pensamos que os militantes locais devem decidir em suas instancias partidárias os rumos do partido nas regiões, desde que respeitada a independência de classe e o não alinhamento à direita ou a pseudo-esquerda)

O PSOL Guarulhos tem que se posicionar, em nota oficial, sobre as coligações obscuras, forçando a executiva nacional a avaliar, fiscalizar e se for o caso, punir com expulsões e punições cabíveis em cada situação. Não devemos aceitar acusações, da direita e da pseudo-esquerda de que o PSOL rebaixou seu programa para crescer, pois, nestas eleições, crescemos a esquerda e onde houve coligações não condizentes com a luta da classe trabalhadora, estas não se fizeram maioria nos resultados que obtivemos nas urnas.

 

 Em Guarulhos, defendemos intransigentemente o não comparecimento de nossos militantes aos locais de votação. Não aceitamos votar no “menos pior” até porque não reconhecemos nenhum dos dois candidatos “menos pior” e sim facetas, com poucas variações de um mesmo projeto político social que garante a exploração do homem pelo homem em um capitalismo reformado, entendemos como um processo importante a não participação do processo do segundo turno. Devendo orientar a população quanto as semelhanças entre os supostos opostos PT e PSDB que não passam de “farinha do mesmo saco”, também temos esta mesma visão em relação as cidades que terão segundo turno, em especial nos casos em que a disputa seja entre PT e seus aliados, contra PSDB e seus aliados, caso de cidades grandes como São Paulo (Capital) e Guarulhos, SP.

Concluímos que continuar o processo de formação de militantes, estudar, organizar-se; neste momento são as tarefas para os militantes do PSOL.

Reafirmamos que seguiremos firmes na construção do PSOL, para tanto anunciamos a criação do núcleo eco-socialista de base em descontraída reunião de fundação que ocorrerá dia 28 de outubro na futura sede do núcleo situada à Av. Dr. Timóteo Penteado 2391 Apto.1 Picanço Guarulhos, SP, comes e bebes (contribuição não obrigatória) tornarão o encontra mais agradável.

 

 

Saudações Socialistas,

PS.

Aproveitamos o ensejo para alguns INFORMES:

Acontecerá na cidade gaúcha de Porto Alegre o “Fórum Mundial Palestina Livre”.
Atividades da “Marcha da Maconha de Guarulhos” e dos Coletivos A.S.M.A. (Associação Secreta dos Maconheiros Assumidos) e 3M 4:20crew: 27 de novembro “Dia Nacional pela Legalização da Maconha e combate ao câncer” será realizada a Campanha Maconheiro Sangue Bom (doação de sangue – segundo a organização mundial de saúde o consumo de maconha não deve ser considerado impedimento à doação de sangue, sendo equiparada ao consumo de álcool) em seguida, no mesmo dia ou em uma data próxima, haverá debate sobre a legalização da maconha e mudanças na lei de drogas; ainda sobre a marcha da maconha, informamos que no dia 8 de dezembro acontecerá a primeira bicicletada canábica de Guarulhos e em seguida a exibição do filme brasileiro “Cortina de Fumaça”
           Lançamento do Zine “A Bombinha” #4 dia 23 de novembro de 2012.

 

 

FEC-EP
(Frente Estopim Comunista)

Nenhum comentário:

Postar um comentário