8 de março de 2013

Royalties do petróleo, caixa de Pandora e uma nova sociedade.


Desde o inicio dos debates sobre as questões que envolvem a mudança das regras na distribuição dos royalties do petróleo encontrado no Brasil, eu tenho ficado a cada dia mais irritado com os absurdos que diversas pessoas, ditas autoridades, falam em rede nacional para defender seus pontos de vista, no caso, tentam justificar o saque, um verdadeiro assalto aos estados produtores, com argumentos, hora mentirosos, hora patéticos, ontem mesmo vi um deputado do DEM do Piauí afirmando que “isto é uma luta de ricos com pobres”, eu só conseguia pensar, de que lado este filho da puta pefelista está na luta de classes? Outras excrecências da mesma ordem foram vomitadas em todos os veículos de comunicação, mas uma questão fundamental é que não é admissível que só estados produtores de “PETRÓLEO” sejam sacrificados em nomes de uma FALACIOSA salvação dos “mais pobres”, entendam:
A redistribuição dos royalties do petróleo brasileiro não significa de maneira NENHUMA qualquer forma de redistribuição de riqueza, primeiro, os royalties tem um motivo de ser no atual sistema de organização da sociedade, em tese serviriam para, além de recompensar os moradores de determinada região que deu “sorte” em ter este determinado recurso em seu solo, mas também para custear possíveis danos ambientais e ajudar no desenvolvimento do dito lugar, não vejo muita justiça nisso, sou socialista e defendo a distribuição da riqueza produzida pela humanidade, entre TODA a humanidade, porém os defensores das mudanças na distribuição dos milhões oriundos dos royalties não corroboram de meus pensamentos, pra falar as claras é na verdade um grande bando de urubus desesperados para conseguir arrancar o maior pedaço de carne podre* os congressistas brasileiros, salvo raríssimas exceções, só conseguem pensar em como encher mais os bolsos de seus paletós e seu atual chefão Renan Calheiros, um dos que mais baba sobre a grana do petróleo, não perderia esta boquinha...
Sem dúvida o congresso nacional mais uma vez mostrou sua sede insaciável, sua prática corriqueira de sugar dinheiro como um vampiro sedento por sangue, a votação da questão dos Royalties do petróleo expôs explicitamente a canalhice conhecida da quase totalidade dos deputados e senadores brasileiros, nenhum deputado de Minas Gerais ou do Pará pensou em discutir a redistribuição dos royalties oriundos da exploração do Minério de Ferro, só para situar, o Brasil é um dos maiores produtores mundiais, outras riquezas minerais são abundantes em todos os estados brasileiros, isso tem que ser discutido!
Esta discussão, mais que possível, agora é imprescindível, caso o STF não derrube por inconstitucionalidade, este assalto, temos que cobrar do congresso a discussão URGENTE sobre os royalties de TODOS os produtos minerais explorados comercialmente no Brasil, seja água mineral de Águas de Lindóia, seja a hidroelétricas no cú do Judas, seja o sal marinho do Rio Grande do Norte, seja ouro, pedras preciosas, carvão mineral em Santa Catarina ou quaisquer outros recursos que resultem em recolhimento de royalties para estados e municípios, caso não façam isso, os estados produtores de petróleo devem requerer, junto ao supremo, que todos os recursos minerais estejam sob um mesmo regime de pagamentos de royalties.
Os idiotas podem ter aberto uma verdadeira caixa de Pandora, de onde males de toda a ordem siarão de dentro dela, e talvez gere uma desregulação de tal ordem que possibilite a ascensão de uma nova forma de organização social, e como na lenda, a esperança ressurja junto à superação de determinados flagelos gerados pela ganância dos ricos capitalistas brasileiros e seus marionetes do congresso nacional.
Para finalizar, respondendo à filha da putice do nobre deputado: esta não é uma luta entre ricos e pobres, é uma luta entre ricos e ricos, a sua mentira não se sustenta...
Uma nova sociedade só será construída, com a reorganização da sociedade, de seu modo de distribuir riqueza, a sociedade só será nossa com a revolução dos trabalhadores...

Nenhum comentário:

Postar um comentário